Editora Mundo Maior

Despertando Conhecimento

Marcel Benedeti (1)


1 comentário

MARCEL BENEDETI – O AMIGO

Marcel Benedeti (1)

Era dia 15 de julho de 2004 , quando uma vizinha bate a minha porta dizendo que havia uma cachorra grande que estava sangrando , e que tinha medo de chegar perto e ser atacada. Fui com ela ver o que estava acontecendo e tentar ajudar da melhor maneira. Quando cheguei ao local onde estava o animal, não acreditei nas condições em que estava vivendo. Era uma obra inacabada, cheia de cimento, cal e sem nenhuma condição de ninguém ficar. O sangramento era nítido devido a ataques de outros cães, sendo que não havia como fechar o portão. Adotei a cachorra na hora, que parecia ser uma Pastora Belga, só que muito mal tratada. Naquele dia não poderia imaginar, que por amor a ela, para tentar salvar sua vida, poucos anos depois, iria conhecer a pessoa que mudaria minha vida para sempre.

Devido a tantas doenças que foram aparecendo ela ficou comigo, pois precisava de cuidados veterinários o tempo todo. Fez tratamento de renite alérgica, até descobrir em 2006 que era um tumor maligno.

No dia 1 de julho de 2007, um domingo, vi uma entrevista de um veterinário falando dos animais. Era o Dr.Marcel Benedeti, falando de tratamento Espiritual para os animais. Fiquei encantada e cheia de esperança, pois era a única chance de tentar salvar a Natasha.

Nunca poderia imaginar que aquele homem de hábitos simples, com o consultório pequeno que ele tomava conta sozinho, atendia ao telefone, se tornaria a pessoa que mudaria a minha vida, me ensinaria tudo que sei de Espiritualidade dos Animais, que me ensinaria a ver o sofrimento pelo qual eles passam de uma forma mais espiritualizada, baseada em Kardec, que me ensinaria que só podemos efetivamente ajudar os animais se ajudarmos também aos seres humanos.

Deus nos dá grandes oportunidades de aprendizado, e poder conviver por alguns anos com o Marcel foi uma delas. Durante o trajeto da clínica para o Centro Espírita e do Centro para algum lugar onde o deixaria, pudemos ter longas e proveitosas conversas.

A Natasha ficou em tratamento durante 2 meses, foi quando aconteceu o  “milagre “. O tumor que a atormentava começou a sair de seu focinho, e um dia caiu. Ela estava curada. Lembro-me que foi uma grande alegria e uma prova de que tanto a Homeopatia, quanto o Tratamento Espiritual realmente funcionam. O Marcel chegou a dizer que a Natasha veio para chamar a atenção da ciência.

Mesmo com todos os cuidados médicos e espirituais, ela veio a desencarnar no dia 03/01/2008, seis meses depois, de insuficiência renal, na sala de palestra do Centro. O Marcel já estava dentro da sala de passe, ele não sabia o que tinha acontecido.  Naquele dia eu pude conhecer a bondade e o altruísmo dele. Por estar muito abalada, ele me chamou para ficar com ele e outra moça dentro da sala e colocou a Natasha, já sem vida em um lugar escondido. Ele me tratou com tanto carinho e tanta consideração, que jamais esquecerei. Ele me contou que antes de saber que a Natasha havia desencarnado a viu dentro da sala. Disse que perguntou a ela: “O que você está fazendo aqui Natasha, não está na hora ainda”. Ele a viu em espírito.

Naquele dia pude constatar o tamanho da bondade e da amizade daquele homem tão simples em sua maneira de ser.  Pude sentir e ter provas do verdadeiro significado da palavra “Amizade “.

Ele nunca enriqueceu com a sua profissão.  Apesar de ser um dos melhores veterinários que já conheci, ele mais ajudava as pessoas e aos animais do que a ele mesmo.  Sempre que conversávamos aprendia algo importante. Uma das coisas que aprendi de mais valiosa com o Marcel é que não podemos amar os animais sem amarmos também o ser humano. Que a melhor maneira de ajudarmos aos animais é ajudando o ser humano.  Aprendi que devemos vibrar amor por aqueles que maltratam os animais, porque um dia irão se arrepender.

Em abril ele descobriu que teria que fazer um procedimento cirúrgico, pois em seus exames havia dado um tumor maligno.  Ele foi operado e então veio a notícia que jamais poderíamos imaginar. Ele estava desenganado, não teria muito tempo de vida. Aquela notícia caiu feito uma bomba em nossos corações. Seu comentário foi que se a Natasha ficou curada, ele também podia ficar. Seu estado ia piorando, pois ele sentia dores, mas como sempre, não reclamava e voltava a dizer que iria desencarnar logo.

O Marcel nunca se esquivou de responder nada que perguntassem a ele. Se houvesse alguma pergunta ou comentário absurdo ele sempre dava “a cara a tapa “como dizíamos. Nunca teve medo ou vergonha da Doutrina. Sua segurança por estar sempre estudando, dava a ele a certeza de que estava agindo de forma correta.

No dia 01/02/2010, mais ou menos 11 horas da manhã, recebi uma das piores ligações de minha vida. Sua esposa, pessoalmente, num gesto de extrema consideração e bondade me liga. Em um momento tão difícil e dolorido para família, ela mesma avisa que o Marcel havia acabado de desencarnar.

Depois do funeral, não me lembro como cheguei em casa aquele dia. A única coisa que me lembro é de pensar como iríamos fazer o trabalho espiritual com os animais sem ele? Como iríamos continuar fazendo o programa sem ele?

Hoje, a nossa meta é divulgar o seu trabalho e a espiritualidade dos animais. Com toda certeza, Marcel Benedeti foi um grande Homem, um grande Espírita e um Grande Amigo. Para nós um amigo inesquecível.  Para mim, aquele que mudou a minha vida. Que me ensinou tudo sobre espiritualidade dos animais. Que me ensinou que devemos amar também os seres humanos e que foi e continua sendo, o melhor AMIGO. “QUE SAUDADE!”

Ivany Lima, apresentadora do Programa Nossos Irmãos Animais pela RBN

 

IMG_6397


1 comentário

Sempre Te Amarei no programa Olhares da TV Bandeirantes

IMG_6397

Sempre Te Amarei: A linda história de amor  além da vida entre um soldado alemão e uma prisioneira judia  foi  tema do programa Olhares da TV Bandeirantes de Santa Catarina. Confira a entrevista com os autores: falando sobre a obra: https://www.youtube.com/watch?v=6iBo7QpeLVs#t=2065

 

IMG_20150508_153707243


1 comentário

Exposição de Livros Espíritas no Internacional Shopping Guarulhos

IMG_20150508_153707243
Durante o mês de maio não perca a exposição de livros espíritas, espiritualistas e autoconhecimento organizada pela Mundo Maior Editora em parceria com o  Internacional Shopping Guarulhos e a USE Guarulhos.
Aproveite o melhor da literatura para a sua renovação e paz espiritual com descontos especiais.
Esperamos por você de segunda a sábado, das 10h às 22 horas, e aos domingos das 14 às 20 horas.
Internacional Shopping Guarulhos – Piso térreo
Rodovia PRESIDENTE DUTRA, SAÍDA 225
ITAPEGICA –  GUARULHOS
Informações: (11) 4964-4700
nova_era


7 Comentários

A Nova Era

nova_era

Muitas são as aflições e dificuldades que o mundo contemporâneo atravessa. Em muitos países, as crises políticas, econômicas e sociais são notícias rotineiras gerando um clima de pessimismo e inseguranças generalizados. E nos perguntamos; quando começaremos a vivenciar a tão aguardada nova era, descrita pelos benfeitores como um novo período para a Humanidade, onde teremos paz, justiça e fraternidade?

Ilusoriamente acreditamos que um dia acordaremos e receberemos a notícia tão esperada, talvez pelos mesmos noticiários que enfatizam as problemáticas, de que tudo mudou, o mundo se transformou regenerando-se e agora sim, seremos felizes. Ledo engano.

Todo o processo de transformação ocorrerá na intimidade dos habitantes de nosso planeta, ou seja, de dentro para fora. A regeneração não será material, mas moral.

Em toda a Codificação encontramos explicações sobre a necessidade da reformulação de nossos hábitos e comportamentos. O Evangelho Segundo o Espiritismo trabalha em minúcias os principais pontos negativos a serem observados e combatidos em nossa personalidade, mas também nos traz o bom ânimo tão necessário em todos os embates. Insuflam-nos os bons Espíritos a fé que fortalece, dentro do entendimento de que tudo pelo que passamos pode servir como aprendizado, desde que utilizemos de bom senso, avaliando nossas atitudes,verificando como não cometer os mesmos erros.

“… vós sois o grão de areia, mas sem grãos de areia não haveria montanhas…”, nesta linda alusão do Espírito Fénelon, que encontramos no próprio Evangelho Segundo o Espiritismo capítulo I, vemos retratada a importância do todo. Cada um de nós representa uma parte de algo maior, como um grande organismo que precisa de todas as suas células sadias e trabalhando em harmonia para ser considerado saudável. Se cada grão fizer sua parte garantiremos a integridade da montanha. Cada um de nós tem sua tarefa de crescimento individual que se reflete no coletivo.

A lei dos mundos é a do progresso incessante, e este processo já se iniciou há muito tempo, já não ultrapassamos a era primitiva? Entretanto vislumbrar a nova era dependerá do esforço que empreendermos em nosso próprio crescimento moral, pois ela representa um novo modo de pensar e agir.

De nada nos adiantará o desânimo, a tristeza, o cansaço, embora sejam perfeitamente compreensíveis os momentos de exaustão em uma grande viagem. Todavia, precisamos nos lembrar das promessas do Mestre Nazareno, “Vinde a mim todos que estais cansados e eu vos aliviarei…”. Em nosso auxílio Jesus nos legou seu Evangelho redentor e esclarecedor, que pode nortear nossos caminhos, consolar nossas aflições, mas acima de acima de tudo nos ensinar a importância do amor, elemento fundamental para nossa felicidade futura.

Umberto Fabbri é autor da Mundo Maior Editora. Publicou o livro Resgate de Almas.

O mais doloroso adeus


2 Comentários

O Mais Doloroso Adeus

O mais doloroso adeus

Por Mário Frigéri

A partida de um ente querido para o plano espiritual é, sem nenhuma dúvida, a maior dor que um ser humano pode sentir neste mundo. Eu já passei várias vezes por esse momento difícil, principalmente quando morreram meus pais e meus sogros.

Sinceramente, com todo o conhecimento espiritual acumulado que adquiri através dos anos, pelo estudo sistematizado da nossa doutrina consoladora, era para eu ter suportado esses golpes com menos abalo. Mas não foi bem assim. Embora não o demonstrasse por fora, muitas lágrimas me vazaram pelos condutos internos da alma.

Eu sei que a morte não existe. Mas saber é uma coisa e enfrentá-la em nosso entorno, quando ocorre a ausência de um ser querido, é coisa muito diferente. Muitas vezes me peguei falando sozinho, gesticulando no ar, e até mesmo ouvindo a voz do ente que partiu chamando o meu nome.

Seu cheiro permanece na casa, nos móveis, nas roupas que usava, em toda parte. A gente olha aqueles sapatos descansando num canto e parece que o dono logo virá apanhá-los. Sua imagem continua viva em nosso inconsciente, e quando um carro vira a esquina e um lampejo de seu farol se projeta no interior da casa, é como se a pessoa querida estivesse chegando.

Procurava orar, e a oração é um socorro maravilhoso, um bálsamo que suaviza muito o nosso sofrimento, mas leva tempo para a ferida cicatrizar. O problema é que se a cura é o esquecimento, eu não queria esquecer. Essa é uma ideia que nem passava pelo meu pensamento.

Eu me apegava muito a Deus e à fé, e essa foi a minha tábua de salvação. Aqueles diálogos silenciosos com o Pai Celestial em minhas preces, rogando-Lhe que acolhesse em Seu seio amoroso aquela pessoa amada que partia, foram me restituindo o equilíbrio e eu comecei a retornar serenamente para a realidade que me envolvia.

Uma pessoa nos deixou, mas a vida não morreu. A vida continuava presente em nosso dia a dia, exigindo atenção e nos preparando para a nova realidade. As pessoas que ficaram – os familiares, os parentes, os amigos, os companheiros – também contavam com o nosso reequilíbrio e a nossa participação. Os adultos esperavam nossa volta à vida normal. As crianças aguardavam nosso sorriso de cumplicidade.

Não temos o direito de amargurar a vida dos outros com a nossa angústia. Não temos o direito de tirar a alegria dos outros com a nossa tristeza. O luto da alma é inevitável por alguns dias, mas ele tem que ir se esvanecendo e clareando com o escoar das horas.

Por tudo que já havia lido sobre o assunto eu pensei que saberia enfrentar com destemor a hora borrascosa quando ela chegasse. E, realmente, meu conhecimento da realidade espiritual me ajudou muito na hora do sofrimento. Mas não foi um salvo-conduto que me livrasse dos solavancos da passagem.

Busquei arrimo no Evangelho, na palavra do Cristo e dos mentores espirituais. Fortaleceu-me bastante a mensagem do Apocalipse, onde Jesus fala da chegada do novo Céu e da nova Terra, quando então não haverá mais morte, nem luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram. E o divino Mestre enxugará de nossos olhos todas as lágrimas. Isto foi como se mãos de anjos algodoassem meu coração.

Voltando a meus familiares, minha mãe foi a primeira a partir. Foi uma surpresa para todos nós porque ela aparentava estar muito bem de saúde. Mas um colapso a levou de repente e nós ficamos fora do ar, como se o chão se fluidificasse sob nossos pés.

Meu pai, porém, foi um desenlace mais ou menos esperado porque já estava bem avançado em anos e, além disso, se encontrava adoentado no leito, recebendo cuidados médicos. Fiz uma prece pública, no velório de ambos, para confortar a mim mesmo, a meus familiares, aos amigos presentes e, principalmente, às almas dos que partiam, que nessas horas precisam ser envolvidas em eflúvios suavizantes de paz.

No caso de meu pai, enquanto o cortejo acompanhava o féretro ao campo santo para o derradeiro adeus, eu acompanhava seu espírito em pensamento e o imaginava despertando meio sonolento no mundo espiritual e se perguntando: A quem devo me dirigir agora? E eu lhe respondia, num sussurro de prece: a Deus.

Assim, descobri que existem dois tipos de despedida: adeus e a Deus. Muitos participam do primeiro tipo. Poucos participam do segundo. Eu participei de ambos na despedida de meu pai. E fiquei muito feliz.

Mário Frigéri é autor da Mundo Maior. Pulicou os livros: 100 Poemas que Amei e Brasil de Amanhã- O Futuro do Brasil á Luz das Profecias.

Jesus Cristo - Resgate de Almas


1 comentário

Resgate de Almas

Jesus Cristo - Resgate de Almas

Por Umberto Fabbri

Nestes momentos tão conturbados que vivemos hoje, um olhar desatento poderia supor que passamos por um fatídico final dos tempos, ou ainda, a vitória do mal, da violência, do egoísmo.Entretanto quando apuramos este olhar, no estudo da Codificação e principalmente nos ensinos de Jesus, percebemos um processo natural de crescimento, necessário em diversas linhas de aprendizado. O joio e o trigo crescem juntos dentro de nós, o bem e o mal travam uma luta em nossas consciências, que se intensifica quanto mais estudamos, aprendemos, amadurecemos, mas principalmente quanto mais somos tocados pelo amor dos que nos rodeia.

O mal é a ausência e desconhecimento do bem. Conforme Jesus sabiamente ensinou, pagando o mal com o bem contribuímos de forma efetiva na educação moral de nosso semelhante, demonstrando uma realidade mais feliz e promissora.

No uso inadequado do livre-arbítrio, não raro, adentramos em um mundo de dor, de provações, de desalento e desesperança, e para dele sair necessitamos de ajuda, de amparo, de acolhimento. Como nenhuma ovelha se perderá, segundo ensinamento do mestre Nazareno, é fato que esta ajuda sempre virá, surgindo de corações maduros, fraternos e abnegados. Irmãos que já vivenciaram as mesmas dores, que se doam e dispõem em auxiliar os que desconhecem o caminho do bem. Emissáriosdo alto e aprendizes do amor maior trabalham em equipe encaminhando, orientando e amparando os caídos, secando lágrimas, exemplificando o amor de Deus.

Para muitos irmãos a jornada apenas começou…

Como acertar o caminho sem experiência, sem mapa, desconhecendo o caminho e sem suprimentos? Como atingir uma meta que não se possui?

Observando a proposta pedagógica divina, nos lembramos do mestre Johann Heinrich Pestalozzi, professor de Kardec, que em sua experiência com os órfãos de Stans orienta que os mais velhos cuidariam dos mais novos, auxiliando-o em sua grande tarefa de educar aquelas almas. Quem sabe mais, ensina, orienta e esclarece os que sabem menos. Os mais fortes cuidam dos mais fracos. Assim Deus movimenta e sedimenta nossa evolução, os mais experientes se voltam pelo amor apreendido a nos auxiliar e encaminhar, com o objetivo maior da fraternidade, nos resgatando das dores criadas por nossas escolhas equivocadas e egoístas. Como anjos de Deus nos apresentam o céu dos bons sentimentos, da amizade e devotamento, nos levando para mais perto do Pai, mudando o cenário de nossa existência.

 

Umberto Fabbri é autor do livro Resgate de Almas, da Mundo Maior Editora

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 153 outros seguidores