Editora Mundo Maior

Despertando Conhecimento

O mais doloroso adeus


2 Comentários

O Mais Doloroso Adeus

O mais doloroso adeus

Por Mário Frigéri

A partida de um ente querido para o plano espiritual é, sem nenhuma dúvida, a maior dor que um ser humano pode sentir neste mundo. Eu já passei várias vezes por esse momento difícil, principalmente quando morreram meus pais e meus sogros.

Sinceramente, com todo o conhecimento espiritual acumulado que adquiri através dos anos, pelo estudo sistematizado da nossa doutrina consoladora, era para eu ter suportado esses golpes com menos abalo. Mas não foi bem assim. Embora não o demonstrasse por fora, muitas lágrimas me vazaram pelos condutos internos da alma.

Eu sei que a morte não existe. Mas saber é uma coisa e enfrentá-la em nosso entorno, quando ocorre a ausência de um ser querido, é coisa muito diferente. Muitas vezes me peguei falando sozinho, gesticulando no ar, e até mesmo ouvindo a voz do ente que partiu chamando o meu nome.

Seu cheiro permanece na casa, nos móveis, nas roupas que usava, em toda parte. A gente olha aqueles sapatos descansando num canto e parece que o dono logo virá apanhá-los. Sua imagem continua viva em nosso inconsciente, e quando um carro vira a esquina e um lampejo de seu farol se projeta no interior da casa, é como se a pessoa querida estivesse chegando.

Procurava orar, e a oração é um socorro maravilhoso, um bálsamo que suaviza muito o nosso sofrimento, mas leva tempo para a ferida cicatrizar. O problema é que se a cura é o esquecimento, eu não queria esquecer. Essa é uma ideia que nem passava pelo meu pensamento.

Eu me apegava muito a Deus e à fé, e essa foi a minha tábua de salvação. Aqueles diálogos silenciosos com o Pai Celestial em minhas preces, rogando-Lhe que acolhesse em Seu seio amoroso aquela pessoa amada que partia, foram me restituindo o equilíbrio e eu comecei a retornar serenamente para a realidade que me envolvia.

Uma pessoa nos deixou, mas a vida não morreu. A vida continuava presente em nosso dia a dia, exigindo atenção e nos preparando para a nova realidade. As pessoas que ficaram – os familiares, os parentes, os amigos, os companheiros – também contavam com o nosso reequilíbrio e a nossa participação. Os adultos esperavam nossa volta à vida normal. As crianças aguardavam nosso sorriso de cumplicidade.

Não temos o direito de amargurar a vida dos outros com a nossa angústia. Não temos o direito de tirar a alegria dos outros com a nossa tristeza. O luto da alma é inevitável por alguns dias, mas ele tem que ir se esvanecendo e clareando com o escoar das horas.

Por tudo que já havia lido sobre o assunto eu pensei que saberia enfrentar com destemor a hora borrascosa quando ela chegasse. E, realmente, meu conhecimento da realidade espiritual me ajudou muito na hora do sofrimento. Mas não foi um salvo-conduto que me livrasse dos solavancos da passagem.

Busquei arrimo no Evangelho, na palavra do Cristo e dos mentores espirituais. Fortaleceu-me bastante a mensagem do Apocalipse, onde Jesus fala da chegada do novo Céu e da nova Terra, quando então não haverá mais morte, nem luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram. E o divino Mestre enxugará de nossos olhos todas as lágrimas. Isto foi como se mãos de anjos algodoassem meu coração.

Voltando a meus familiares, minha mãe foi a primeira a partir. Foi uma surpresa para todos nós porque ela aparentava estar muito bem de saúde. Mas um colapso a levou de repente e nós ficamos fora do ar, como se o chão se fluidificasse sob nossos pés.

Meu pai, porém, foi um desenlace mais ou menos esperado porque já estava bem avançado em anos e, além disso, se encontrava adoentado no leito, recebendo cuidados médicos. Fiz uma prece pública, no velório de ambos, para confortar a mim mesmo, a meus familiares, aos amigos presentes e, principalmente, às almas dos que partiam, que nessas horas precisam ser envolvidas em eflúvios suavizantes de paz.

No caso de meu pai, enquanto o cortejo acompanhava o féretro ao campo santo para o derradeiro adeus, eu acompanhava seu espírito em pensamento e o imaginava despertando meio sonolento no mundo espiritual e se perguntando: A quem devo me dirigir agora? E eu lhe respondia, num sussurro de prece: a Deus.

Assim, descobri que existem dois tipos de despedida: adeus e a Deus. Muitos participam do primeiro tipo. Poucos participam do segundo. Eu participei de ambos na despedida de meu pai. E fiquei muito feliz.

Mário Frigéri é autor da Mundo Maior. Pulicou os livros: 100 Poemas que Amei e Brasil de Amanhã- O Futuro do Brasil á Luz das Profecias.

Jesus Cristo - Resgate de Almas


1 comentário

Resgate de Almas

Jesus Cristo - Resgate de Almas

Por Umberto Fabbri

Nestes momentos tão conturbados que vivemos hoje, um olhar desatento poderia supor que passamos por um fatídico final dos tempos, ou ainda, a vitória do mal, da violência, do egoísmo.Entretanto quando apuramos este olhar, no estudo da Codificação e principalmente nos ensinos de Jesus, percebemos um processo natural de crescimento, necessário em diversas linhas de aprendizado. O joio e o trigo crescem juntos dentro de nós, o bem e o mal travam uma luta em nossas consciências, que se intensifica quanto mais estudamos, aprendemos, amadurecemos, mas principalmente quanto mais somos tocados pelo amor dos que nos rodeia.

O mal é a ausência e desconhecimento do bem. Conforme Jesus sabiamente ensinou, pagando o mal com o bem contribuímos de forma efetiva na educação moral de nosso semelhante, demonstrando uma realidade mais feliz e promissora.

No uso inadequado do livre-arbítrio, não raro, adentramos em um mundo de dor, de provações, de desalento e desesperança, e para dele sair necessitamos de ajuda, de amparo, de acolhimento. Como nenhuma ovelha se perderá, segundo ensinamento do mestre Nazareno, é fato que esta ajuda sempre virá, surgindo de corações maduros, fraternos e abnegados. Irmãos que já vivenciaram as mesmas dores, que se doam e dispõem em auxiliar os que desconhecem o caminho do bem. Emissáriosdo alto e aprendizes do amor maior trabalham em equipe encaminhando, orientando e amparando os caídos, secando lágrimas, exemplificando o amor de Deus.

Para muitos irmãos a jornada apenas começou…

Como acertar o caminho sem experiência, sem mapa, desconhecendo o caminho e sem suprimentos? Como atingir uma meta que não se possui?

Observando a proposta pedagógica divina, nos lembramos do mestre Johann Heinrich Pestalozzi, professor de Kardec, que em sua experiência com os órfãos de Stans orienta que os mais velhos cuidariam dos mais novos, auxiliando-o em sua grande tarefa de educar aquelas almas. Quem sabe mais, ensina, orienta e esclarece os que sabem menos. Os mais fortes cuidam dos mais fracos. Assim Deus movimenta e sedimenta nossa evolução, os mais experientes se voltam pelo amor apreendido a nos auxiliar e encaminhar, com o objetivo maior da fraternidade, nos resgatando das dores criadas por nossas escolhas equivocadas e egoístas. Como anjos de Deus nos apresentam o céu dos bons sentimentos, da amizade e devotamento, nos levando para mais perto do Pai, mudando o cenário de nossa existência.

 

Umberto Fabbri é autor do livro Resgate de Almas, da Mundo Maior Editora

esforco-conquista


1 comentário

Sem esforço, o sonho não vira conquista

esforco-conquista

Por Regina Hennies

Uma frase feita, cantada em verso e prosa tornou-se famosa: “Tudo na vida é conquistado com esforço”. Ou, então, sua similar no negativo: “Não se conquista nada na vida sem esforço”. Certamente que não. Mas, se destrincharmos a palavra “esforço”, percebemos que ela é muito mais do que um simples ato de reunir forças para se chegar a um objetivo. No esforço, a força maior vem da Alma, do ser interior de cada um, que traz à tona a vontade “de ferro” para se conseguir o que é almejado.

Para cada um de nós, a necessidade dessa palavra varia conforme sua atuação. Se uma pessoa necessita de esforço para passar de ano na escola, outra necessita para fazer uma dieta. Em qualquer situação torna-se imprescindível essa ação, que caminha com o ser a partir da vontade de se fazer algo, seja o que for, até sua realização completa.

Vários são os motivos que levam uma pessoa a desistir de seus sonhos. Preguiça, desânimo, medo, descaso, inércia. A falta de um objetivo real, a falta de paixão pela vida, a falta disso, a falta daquilo, nos mostra que a escassez é algo profundo quando se fixa na alma humana. Acredito que esse é um dos principais motivos através do qual um jovem entra para o caminho das drogas.

Porém, no lado contrário de uma história triste, estão aqueles jovens que se destacam por escolherem o caminho do grande esforço para a conquista da verdadeira vitória. Nessa época do ano, especialmente, os cansados estudantes estão às voltas com as provas do Enem e com os inúmeros vestibulares, na tentativa de se colocarem em boas universidades e contarem, assim, com uma força a mais – a formação acadêmica – na busca pelos seus sonhos. Admiro profundamente aquelas pessoas que canalizam sua energia jovial para o caminho do Bem, buscando encontrar seu lugar no mundo. E admiro mais ainda aqueles que trocam suas opções caso percebam que isso seja necessário.

Coragem é item fundamental para quem é esforçado. E coragem a juventude tem de sobra. Pena que, em alguns casos, ela seja confundida com a fuga da realidade e a busca pelo prazer rápido mesmo que, em seguida, desalentador.

Mas não queremos aqui ressaltar aqueles que optam pela trilha mais fácil. Mesmo porque temos, sim, é que encorajar os jovens guerreiros do Bem que, com sua Fé e energia, transformam o esforço cotidiano na sua maior ferramenta de construção da Felicidade. E é por eles que torcemos e queremos que esse país se transforme e vivencie a Paz de uma sociedade mais justa.

Contamos com você, jovem guerreiro do Bem, cansado, suado, perdido entre pilhas de apostilas e livros cheios de destaques em amarelo fluorescente, correndo para pegar o portão aberto em dias de provas e, depois, chegar ao portão das universidades, no próximo período escolar. Porque você merece! Porque você realmente sabe o que significa esforçar-se! E porque você será também um adulto por quem se valerá a pena lutar.

Regina Hennies é autora do livro a Ordem do Caos, publicado pela Mundo Maior Editora

 

 

 

reencontro de herois (1)


2 Comentários

O Reencontro de Heróis “Lutando para Vencer”

 

reencontro de herois (1)

Explode a Segunda Guerra Mundial e o amor de um pracinha pela Pátria o faz lutar contra a tirania que manchou a história da Humanidade. Corações apaixonados são separados, transformando o amor não correspondido em ódio e vingança.

O encontro entre um jovem do exército brasileiro e uma bela senhora traz de volta um passado cheio de emoções e questionamentos. Viajando no tempo, surgem recordações de uma linda história de amor.

Em um cenário de batalhas coletivas e particulares, caminhos se cruzam e personagens importantes se reúnem novamente. Entre lembranças marcantes, revela-se uma história emocionante, na qual o amor verdadeiro representa o grande significado da vida.

A obra ditada pelo espírito Frei Antônio Maria, psicografada por João Alberto Teodoro, nos mostra que mesmo diante do horror da guerra, obreiros do bem trabalham incessantemente para suavizar as marcas deixadas pelos conflitos. Ressalta ainda que a  todo instante recebemos oportunidades de renovação, guiados por protetores do plano maior.

Sobre João Alberto Teodoro

João Alberto é natural de Itararé, estado de São Paulo. Militar da reserva pertencente

à FAB- Ministério da Defesa.   Iniciou na doutrina Espírita em 1982.

Mora na capital paulista e atua no Centro Espírita Nosso Lar Casas André Luiz como médium.

Publicou pela Mundo Maior: Um Amor Diferente “Nossas Escolhas”, romance ditado por Augusto César Vanucci.

Informações Mundo Maior Editora

11-49644700

pedidos@editoramundomaior.com.br

sebastiao-camargo


Deixe um comentário

Nesse domingo autógrafos com o autor Sebastião Camargo na bienal do livro

sebastiao-camargo
 31/08-14h às 16h: Autógrafo com o autor e comunicador da Rede Boa Nova de Rádio, Sebastião Camargo, autografando a obra O Despertar da Consciência- do Átomo ao Anjo, da editora Despertar da Consciência
Estande da Mundo Maior Editora e Distribuidora na Bienal: Rua K301
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 127 outros seguidores